Artigos Jardinagem

8 Causas de folhas com pontas secas e queimadas

Um dos problemas mais comuns que afligem jardineiros iniciantes a avançados, são as temidas pontas queimadas. Folhas que aparecem com margens ressecadas, recurvadas e que acabam ficando com um aspecto inicialmente amarelado que evolui para o marrom e o preto, já sem vida. Muitas vezes, até as folhas jovens já surgem com o problema. E infelizmente, as plantas não tem o poder de regenerar as partes machucadas e feridas como nós animais. No entanto, elas sempre podem produzir folhas novas, desde que se recuperem da causa inicial que provocou as queimaduras.

Nesse artigo, eu quero te ajudar a identificar a possível causa que está queimando as folhas das suas plantas. Atente que na maioria das vezes as causas não são tão óbvias quanto parecem e em muitas casos há mais de um fator envolvido prejudicando a planta. Então não descarte uma possibilidade quando tiver certeza de outra.

E apesar de que não podemos regenerar as partes perdidas, podemos fazer muito para eliminar essas causas e promover um novo crescimento saudável nas nossas plantas, para que fiquem lindas novamente. Vamos lá?

Salinidade:

A primeira, e uma das mais importantes causas de folhas queimadas é a salinidade. E ela pode vir de várias formas diferentes como veremos a seguir. O sal, tanto no ar, como no substrato ou na água, prejudica o equilíbrio osmótico da planta e a difusão da seiva. A absorção e a transpiração de água é reduzida, e a planta acaba sofrendo com o acúmulo também dentro de suas células.  É como se déssemos água do mar para as nossas plantas beberem. Ao invés de hidratar as plantas, estamos desidratando elas. E um dos primeiros sintomas é justamente essa queimadura nas pontas e bordas das folhas.

a. Maresia: Quem mora em regiões litorâneas sofre duplamente. O sal chega pelo ar, através dos ventos marítimos, e pela chuva também que vem carregada do sal do oceano. Uma gigantesca variedade de plantas não se incomodam com essa salinidade. E por essa razão podemos ver plantas lindíssimas por toda orla marítima. No entanto, uma porção ainda maior de plantas vai sofrer com esse tanto de sal que vem do mar, e não há nada que possamos fazer. O certo mesmo é desistir de torturar as plantas e passar a escolher para o nosso jardim, espécies que são sabidamente resistentes. Uma boa espiada na vizinhança, e até mesmo nas praias vizinhas vai nos dar valiosas pistas sobre o que plantar no jardim litorâneo. Você pode ter algumas sugestões no artigo: Paisagismo na Praia

b. Excesso de Adubação: Esta é com certeza uma das causas mais comuns. Vamos displicentemente adubando nossas plantas, e com isso acabamos salinizando tanto o vaso quanto o substrato. Assim, tenha cuidado com a aplicação de adubos químicos, principalmente aqueles ricos em nitrogênio. Os adubos mais comuns, do tipo NPK são salinos e contém muitas impurezas também salinas. Se você suspeita que essa possa ser uma das causas de pontas queimadas nas suas plantas, troque seus adubos por adubos orgânicos, adubos solúveis de qualidade premium (Peter’s, PlantProd) ou simplesmente reduza a adubação por uns tempos. Isso vai ajudar na recuperação das plantas (veja também o tópico f).

Begônias são vítimas frequentes de pontas queimadas.

c. Água salobra ou dura: O que nem sempre é tão óbvio, uma água rica em sais minerais pode ser prejudicial para as nossas plantas. Você já ouviu falar que não podemos utilizar água mineral na cafeteira? não podemos por que se precipitam cristais salinos que vão obstruindo os dutos da cafeteira. Assim, se você rega suas plantas com água mineral muito dura (rica em sais de cálcio, magnésio e outros) suas plantas podem sofrer. Teste sua água com kits para aquaristas, e se for o caso, troque por água do filtro ou da chuva que tem menos sais.

d. Substrato muito rico: Parece mentira, mas um substrato excessivamente humoso pode ser prejudicial para as nossas plantas, principalmente quando elas acabaram de ser replantadas. Quando for replantar suas plantas, cuide para não utilizar substratos puros, mesmo que sejam “prontos para o plantio”. Prefira misturar uma parte com terra comum de jardim e areia, para que ele não fique “tão forte” e queime as raízes novas que estão em formação. Raízes delicadas, mergulhadas em um substrato muito rico é uma receita comum para pontas queimadas e plantas que param de se desenvolver paradoxalmente.

e. Substrato envelhecido e compactado: Com o tempo, mesmo com muitos cuidados, o substrato dos nossos vasos vai se compactado, perdendo a matéria orgânica que mantém ele arejado e drenável, e vai acumulando os sais da adubação. Os sinais óbvios são folhas com pontas queimadas, e até um acúmulo esbranquiçado (de sais) sobre o substrato e na parede dos vasos (porosos de cimento, barro e cerâmica). Assim, previna o problema, replantando suas plantas a cada um ou dois anos, para renovar o substrato e os vasos.

f. Regas insuficientes: É muito comum, que os cultivadores de plantas, principalmente de dentro de casa, acabem adotando as regas insuficientes. Essas regas são aquelas que não molham o substrato por completo, e não deixam a água escorrer pelo furo de drenagem. O escoamento da água é fundamental para levar embora o excesso de sais, caso contrário eles começam a acumular e prejudicar o desenvolvimento das plantas como já vimos. Assim, sempre que for regar suas plantas, molhe sem dó, até escorrer pelo furo de drenagem. Depois de 5 minutos, molhe mais um pouco para que a água atinja bem todo o substrato (muitas vezes na primeira rega, ela acaba escorrendo pelas laterais sem penetrar no torrão da planta). Essa dica serve até mesmo para suculentas. Volte a regar as plantas quando o substrato secar superficialmente (faça o teste com o dedo). No caso das suculentas, espere o vaso secar completamente antes de regar.

g. Regas por capilaridade: Os vasos autoirrigáveis estão na moda, e utilizam a capilaridade como sistema de irrigação. Tenha cuidado e esgote o sistema com uma rega comum regularmente, evitando assim o acúmulo de sais. Esses vasos são muito práticos e ajudam a manter as plantas hidratadas, cuide para que não prejudiquem às suas plantas. Além dos vasos autoirrigáveis, tenha cuidado com as regas pelo “pratinho”. Comuns para violetas africanas, essa rega tende a acumular sais também. Lembre-se de lavar o substrato a cada três regas, fazendo uma rega comum e abundante por cima, sem o pratinho. Deixando o substrato drenar o excesso de sais.

2. Umidade do ar

O umidificador de ambiente é o melhor amigo do jardineiro de dentro de casa.

Dentro de casa, as plantas mais comuns são tropicais, originárias de florestas quentes e úmidas. Essas espécies são as mais adaptadas as condições de baixa luminosidade que temos em nossas casas. Assim, podemos cultivar antúrios, violetas, samambaias, palmeirinhas, filodendros, begônias, aglaonemas e uma infinidade de luxuriantes plantas de folhas largas e brilhantes, que amam a umidade. No entanto, dentro de casa, a umidade nem se aproxima do que é encontrado no interior da floresta. Enquanto que no interior da floresta, a umidade vai de 60 a 90%, nas nossas casas gira em torno de 20 a 40%. E como podemos resolver isso?

a. Umidificador de ambiente: Esses aparelhos elétricos elevam a umidade do ar. Eles podem ser colocados próximos às plantas e vão melhorar a qualidade do ar para os nossos pulmões também. Só tenha o cuidado de manter uma boa ventilação no local, evitando o aparecimento de cochonilhas e doenças fúngicas.

b. Toalhas molhadas: Coloque suas toalhas para secar próximo às plantas, ou cultive suas plantas no banheiro (se for bem iluminado)

c. Prato com pedras: Providencie uma prato largo e cubra ele com pedras. Mantenha com água e coloque seus vasos sobre ele. Não é necessário que os vasos fiquem submersos. A própria evaporação natural da água vai umidificar o ambiente. Lave a cada dois dias para evitar a proliferação do mosquito da dengue.

d. Plantas companheiras: A transpiração de muitas plantas tropicais conjuntamente elevam naturalmente a umidade do ar. Assim, coloque suas plantas juntas com espécies de folhas abundantes e largas, como as samambaia por exemplo.

e. Desligue o aquecedor e o ar condicionado: Esses aparelhos ressecam o ar, e podem ser incompatíveis com o cultivo de plantas tropicais. Se possível reduza o seu uso, ou troque suas plantas para espécies suculentas de sombra.

3. Frio:

O frio também pode provocar queimaduras e pontas ressecadas, principalmente em plantas tropicais. Proteja suas plantas em ambientes internos durante o inverno frio, ou quando houver ameaça de geadas. Tenha cuidado também para que as folhas das plantas jamais toquem o vidro frio da janela.

4. Ventos:

Plantas tropicais também são as vítimas aqui. No interior da floresta o vento é uma brisa fresca e suave, mas nos nossos quintais, o vento pode facilmente ressecar folhas delicadas. Mesmo dentro de casa, se colocarmos as plantas em locais sujeitos a correntes (ventos encanados), estaremos provocando sua desidratação, ainda que a terra dos vasos seja mantida sempre úmida. Plantas precisam de ventilação, mas tudo que é em excesso pode lhes fazer mal.

5. Calor:

Assim como o frio, o calor será perigoso principalmente para plantas de clima temperado e subtropical. Plantas assim, muitas vezes não dão conta de transpirar o suficiente para eliminar o excesso de calor e acabam sofrendo. Evite plantá-las em posição norte (sol o dia todo), principalmente perto de paredes ou muros que aquecem durante o sol escaldante. Escolha espécies mais adaptadas ao seu clima, e não insista em cultivar plantas de locais muito diferentes. Elas podem não conseguir se adaptar e vão sofrer, muitas podem até não florescer, por diferenças no foto período.

6. Deficiência de potássio:

Como vimos na primeira parte do artigo, o excesso de nutrientes e sais está mais relacionado com as pontas queimadas do que a falta de nutrientes. No entanto, na falta do nutriente potássio, muitas plantas apresentarão margens queimadas. Se este for o seu caso (descarte primeiro as causas anteriores), suplemente suas plantas com fontes ricas em potássio, como adubos de cinzas (sem sal), de casca de banana, cloreto de potássio e outros ricos neste nutriente.

7. Excesso de flúor:

A água da torneira é tratada com flúor em pró da nossa saúde bucal, e algumas plantas como dracenas, clorofitos e palmeiras podem apresentar as pontas das folhas queimadas devido a este elemento. O cloro da água não chega a ser um problema para a maioria das plantas. Neste caso, ao invés de usar água da torneira, prefira irrigar suas plantas com água da chuva ou água filtrada que são livres de flúor.

8. Regas em Excesso:

Outro grande vilão, que assim como o solo compactado irá provocar pontas queimadas. Quando regamos demais, ou o substrato não drena perfeitamente, a água empoçada no vaso não permite a aeração das raízes. Essa aeração é fundamental e na falta dela, as raízes apodrecem. Como consequência disso, não conseguem absorver a água, apesar de regarmos em excesso. O resultado são plantas murchas e doentes. Replante ou reduza as regas para que elas se recuperem.

Cortar ou não cortar?

Linha de corte

E agora que as minhas plantas estão queimadas, como posso deixá-las com um melhor aspecto? A grande maioria das pessoas comete o grave erro de cortar fora as partes secas da planta, formando assim novas feridas que quando cicatrizam acabam secas também, necessitando de cortes recorrentes, principalmente quando a causa não foi eliminada. Antes de tudo, elimine a causa do problema que provocou as queimaduras. Depois, se você quiser dar um melhor aspecto para suas plantas, corte fora as pontas queimadas, num ponto dentro da área da queimadura, de forma que o corte não atinja as partes ainda vivas da planta. O resultado não é perfeito, mas é saudável, não vai machucar suas plantas e com certeza esse cuidado vai deixá-las mais bonitas.

Fonte: https://www.jardineiro.net/8-causas-de-folhas-com-pontas-secas-e-queimadas.html

COMPARTILHE

ARQUIVO DE PUBLICAÇÃO

agosto 2022
S T Q Q S S D
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031